estrada-real-diamantina-ouro-preto

GUIA ESTRADA REAL CAMINHO DOS DIAMANTES

para ciclistas e caminhantes

SOBRE O GUIA

viagem-bicicleta-cicloturismo-diamantina-ouro-preto

Em 1726, boa parte do ouro de Minas Gerais já havia sido descoberto e o estado era o mais populoso do país. Bernardo da Fonseca foi um dos primeiros a perceber que aquelas pedrinhas duras que as pessoas costumavam utilizar para contar os pontos no jogo de cartas na verdade eram diamantes brutos.

Nossa produção de diamantes à época foi tão grande que fez o valor do quilate baixar cerca de 75% no mercado mundial. Uma parte desta riqueza ficou no solo onde brotou, mas não é cotada na bolsa conforme o preço da onça-troy, mas sim pelo apreço a monumentos e até cidades inteiras tombadas pelo Patrimônio Nacional e Mundial.

Convidamos o viajante do século XXI a conhecer estas riquezas percorrendo o caminho antigo entre dois Patrimônios da Humanidade, Ouro Preto e Diamantina. Orientando-se por monumentos naturais como a Serra do Caraça, do Tabuleiro e Espinhaço, que balizam o caminho desde a época dos primeiros exploradores, além de história o guia apresenta um roteiro cheio de desafios e belezas para os que se propuserem a viver esta aventura a pé ou de bicicleta.

ADQUIRA O GUIA ESTRADA REAL – CAMINHO DOS DIAMANTES e tenha acesso a informação de qualidade para planejar e executar sua viagem.

Primeira edição – ano 2013
Livro: 140 páginas + encarte, em papel reciclato, formato 21 x 14,5 cm, com espiral

leia um CAPÍTULO do guia e veja como é simples e interessante viajar com ele

Neste guia você encontrará todas as informações necessárias para planejar e percorrer o Caminho dos Diamantes, desde o treinamento, preparação, alimentação, equipamentos, etc. O viajante poderá escolher em qual sentido prefere realizar o trajeto: Ouro Preto à Diamantina ou Diamantina à Ouro Preto. São 138 páginas (sem propagandas) mais um encarte, tudo em papel reciclato, 22 gráficos com o perfil altimétrico de todo o caminho, 426 km de percurso detalhados em 42 planilhas minuciosas, 25 mapas de cidades e localidades que irá atravessar, 6 mapas regionais específicos e um mapa geral de todo o circuito, sempre apoiando seu percurso e planejamento para que tenha mais liberdade de escolha e autonomia, inclusive com sugestões de rota de fuga e atalhos. Conforme a disponibilidade de tempo o viajante poderá optar por reduzir o circuito tomando atalhos e concluir o circuito em 373 km.

Como é característico em uma viagem em bicicleta, vemos um pouco de tudo. De asfalto plano e lisinho a duras subidas em terrenos adversos, grandes e movimentadas cidades e pequenas localidades esquecidas no tempo. Toda a beleza dos contrastes de um país continental com diversos tipos de vegetação e serras homéricas. Reconhecemos nossas riquezas naturais, nossa história, chegando perto, como nunca, de um povo maravilhoso que vive neste país chamado Brasil.

O cicloturista tem a oportunidade de enfrentar os mesmos obstáculos dos primeiros desbravadores, pois as montanhas ainda estão lá e representam o que há de mais original no caminho, nunca mudaram desde o descobrimento.

As dificuldades do caminho costumam trazer as melhores lições. O sacrifício para vencer os obstáculos no trajeto fazem a viagem transcender o turismo convencional e a recreação pura e simples, passando para um processo introspectivo rumo a riquezas reais como o autoconhecimento e a capacidade de se superar e seguir, com liberdade, seu próprio caminho.

Assista o documentário com imagens captadas durante o mapeamento e confira um pouco das belezas do Caminho dos Diamantes:

Veja também:

Advertência aos Caminhantes: Assim como o Caminho da Fé o Caminho dos Diamantes pode ser percorrido a pé. Entretanto, não é um caminho tão bem estruturado como o Caminho da Fé, o que demanda estudo, preparo e estratégia do caminhante, em nosso guia você encontrará tudo o que precisa para preparar sua viagem, com dicas desde o treinamento até uma lista do que levar. Se restarem dúvidas, não hesite em nos escrever: CONTATO.

ATENÇÃO! Este guia não é um guia dos Marcos do Instituto Estrada Real. Não conhecemos nem reconhecemos os parâmetros daquelas marcações. Observamos em nossa pesquisa parâmetros históricos e turísticos com o intuito de traçar um roteiro para um caminhante ou um cicloturista percorrerem o que era conhecido no séc XIX como a “Grande Estrada Real de Vila Rica ao Tijuco” (atuais Ouro Preto e Diamantina). A cada etapa do guia o viajante saberá as razões históricas e/ou práticas que nos levaram a decidir por este ou aquele caminho.

Para saber mais sobre a pesquisa histórica do caminho leia “O Caminho Velho da Estrada Real em poucas palavras” e assista à entrevista com Áttila Godoy – “Estrada Real, a verdadeira história”.

Conheça um pouco mais sobre parte deste trajeto nos artigos:

estrada-real-caminho-diamantes-revista-bicicleta-48-cicloturismo

ecoturismo-caete-caraca-01

ADQUIRA O GUIA ESTRADA REAL – CAMINHO DOS DIAMANTES e tenha acesso a informação de qualidade para planejar e executar sua viagem.

compartilhe!
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedintumblrmail